uma quantidade quanta de sagrado?

"

O cachorro mais velho insiste em não morrer. Não que eu deseje a sua morte. Não é exatamente isso. É como uma longa despedida em uma rodoviária: se o ônibus nunca vai embora, aquilo começa a perder o sentindo. Você torce pra que a coisa aconteça logo. Tudo que havia de sagrado naquilo se perdeu. Você é obrigado a reorganizar as suas noções a respeito do sublime. As coisas não são puras. O braço cansa de acenar. Digo no sentido físico da coisa. Aquilo tudo passa a ser um pouco patético. Tudo o que demanda uma quantidade grande de sagrado corre esse risco. Você sempre acaba correndo o risco de ter vontade de dar uma mijada no meio de algum enterro. As coisas são assim. Não que isso mude nada. Você continua se debulhando em lágrimas. Não existe nenhuma distinção profunda entre as lágrimas e a urina. Coisas que a gente põe pra fora. Secreta e excreta.

Do livro do querido Emanuel Aragão, Reflexão a Respeito do Vaso.

Anúncios

2 Responses to “uma quantidade quanta de sagrado?”

  1. ju martins Says:

    já fiquei querendo.


  2. oi! vim aqui agradecer!
    li há uns meses esse post, tive vontade de ler, minha namorada comprou pra ler também, e quase numa tacada só fui engolido por esse maravilhoso livro!

    obrigado pela indicação :)


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: